4 ERROS COMUNS DE EMPRESAS QUE TRABALHAM COM ECOTURISMO

 

Primeiro vamos entender o que é o Ecoturismo, segundo definição do Ministério do Turismo, Ecoturismo é um segmento da atividade turística que utiliza, de forma sustentável, o patrimônio natural e cultural, incentiva sua conservação e busca a formação de uma consciência ambientalista por meio da interpretação do ambiente, promovendo o bem-estar das populações.

Com essa definição em mente, vamos agora evidenciar os 4 erros mais comuns das empresas que oferecem esse tipo de serviço.

  • Não se preocupar realmente com a sustentabilidade

Sustentabilidade virou palavra da moda, mas poucas empresas realmente colocam ela em prática, a sustentabilidade não permeia somente o uso sustentável dos recursos naturais, mas também dos sociais, culturais e econômicos, uma das formas de colocar em prática a sustentabilidade é contratar mão de obra local para trabalhar nas atividades que a empresa oferece, incentivar a produção associada ao turismo, como o artesanato e a gastronomia que agregam valor à experiência oferecida, além de auxiliar na geração de emprego e renda da população local.

  • Oferecer experiências que não tenham a essência do ecoturismo

O que sua atividade de ecoturismo realmente oferece ao seu cliente? Somente banho de cachoeira e selfie? Se a resposta for sim para essa questão, é melhor repensar as suas atividades. Oferecer ecoturismo vai muito além disso, esse tipo de turismo pode ter um papel importante para conscientizar as pessoas sobre a importância da conservação e preservação do meio ambiente. Imagine quão rica seria uma visita a uma cachoeira, mas que durante o percurso o guia ou condutor da atividade trouxesse informações sobre a fauna e flora do local e a relevância que o bioma possui para que as atrações naturais como cachoeiras, lagos, rios entre outros possam continuar existindo e proporcionar um ambiente equilibrado, e no final oferecesse uma refeição preparada por um morador local e artesanatos típicos da região. Com certeza esse visitante ficará além de encantado, com a certeza de que agora ele sabe por que precisa preservar o meio ambiente. E não se esqueça de realizar uma boa comunicação desse seu diferencial no seu site, pois isso faz a diferença quando o cliente está na escolha de uma atividade.

  • Não se preocupar com segurança 

Esse infelizmente é um dos erros mais comuns de quem trabalha com turismo de natureza, grande parte das atividades de ecoturismo se configuram também como de turismo de aventura, que envolvem perigos e riscos iminentes, com isso é necessário uma série de ações para se minimizar a possibilidade desses riscos acontecerem em uma atividade. Existem dispositivos legais que são obrigatórios para quem oferece esse tipo de atividade, mas que além da obrigação as normas existentes como a NBR ISO 21101 – Sistema de Gestão da Segurança, são extremamente necessárias para uma boa gestão da segurança nas atividades na natureza, elas permitem que as empresas consigam gerenciar com mais qualidade suas atividades, para proporcionar atividades seguras e prazerosas para os visitantes. Qualquer empresa que oferece atividades de turismo devem conhecer e seguir os requisitos da Lei Geral do Turismo, acesse aqui..

  • Não se preocupar em oferecer facilidades de compra para o cliente

Outro erro comum de muitas empresas de ecoturismo, é não entender que o turista hoje em dia quer facilidade, mas ele também está atento em observar se a empresa realmente se preocupa com o meio ambiente, processos burocráticos e cheios de papel não são mais bem vistos por ninguém. Portanto automatizar a venda, reservas, acesso da equipe à agenda e atividades através de um sistema como o Retrilhar, é algo que precisa ser priorizado para que a empresa se destaque no mercado de ecoturismo, que irá demonstrar que o seu negócio se preocupa com o cliente.

Bom, esperamos que você não esteja cometendo nenhum desses erros com sua empresa, mas se tiver, pare, pense e ajuste os objetivos e a sua forma de atuação, nunca é tarde para repensar as estratégias, pelo contrário, o processo de melhoria DEVE ser contínuo.